A audiência pública ocorrida no Rio de Janeiro na última sexta-feira, dia 14/10 contou com a presença dos deputados Antônio Roberto, Erika Kokay, Liliam Sá, José Stédile e Teresa Surita, do presidente da Comissão dos Direitos da Criança e do Adolescente o  vereador Tio Carlos, da defensora pública Eufrásia Maria das Virgens, Dra. Evelyn Eisenstein, Angelica Goulart e Carlos Nicodemos, crianças e representantes da sociedade civil. Juntem-se a nós nessa importante discussão!

A audiência pública ocorrida no Rio de Janeiro na última sexta-feira, dia 14/10 contou com a presença dos deputados Antônio Roberto, Erika Kokay, Liliam Sá, José Stédile e Teresa Surita, do presidente da Comissão dos Direitos da Criança e do Adolescente o  vereador Tio Carlos, da defensora pública Eufrásia Maria das Virgens, Dra. Evelyn Eisenstein, Angelica Goulart e Carlos Nicodemos, crianças e representantes da sociedade civil. Juntem-se a nós nessa importante discussão!

Bilhete entregue por uma menina para Angelica Goulart durante um encontro em que eram apresentadas ações da RNBE e a defesa do direito das crianças a serem educadas e cuidadas sem o uso de qualquer castigo corporal e tratamento cruel e degradante.

Bilhete entregue por uma menina para Angelica Goulart durante um encontro em que eram apresentadas ações da RNBE e a defesa do direito das crianças a serem educadas e cuidadas sem o uso de qualquer castigo corporal e tratamento cruel e degradante.

ONG Catavento fez uma matéria com o tema Não ao Castigo Corporal para a Sintonia Infância.

É possível ouvir os 3 blocos do programa nesse link.

Xuxa Meneghel representou a Rede Não Bata, Eduque na abertura de Seminário na Câmara dos Deputados 
Nossa porta-voz, Xuxa Meneghel, emocionou as pessoas na abertura do Seminário sobre Experiências de Legislação Contra Castigos Corporais de Crianças e Adolescentes. O encontro abordou a urgência de uma reforma legal que proteja integralmente às crianças e adolescentes com os castigos corporais e tratamento humilhante, através da aprovação do projeto de lei nº 7672/2010. 
Foram apresentados os resultados positivos dos 31 anos da aprovação de lei semelhante na Suécia, primeiro pais do mundo a ter uma lei contra os castigos corporais, e a experiência de nossos vizinhos Uruguai, Venezuela e Costa Rica, que já tem leis sobre o tema.
 “Não é uma lei contra a palmada. É a lei do amor, do respeito. As crianças merecem ter os direitos que vocês (adultos) têm”. 
"… ainda vivemos em uma cultura atrasada quando o assunto é violência contra as crianças. Um dia a escravidão ou até mesmo bater em mulher foi normal …". 
“A gente não aprende com dor”. 
"Que as pessoas possam entender que a gente não quer se meter na vida dos outros, e sim fazer com que a criança tenha o direito de ser respeitada", 
"As pessoas dizem ‘quero acabar com a violência nas ruas’. Então acabe com a violência em casa", frases da porta- voz da Rede Não Bata, Eduque – a apresentadora Xuxa Meneghel, 
“O castigo físico não pode ser considerado pratica pedagógica”. 
“Um Brasil de paz depende desse projeto de lei”. 
“O projeto não prevê nenhuma intervenção familiar, não pressupõe qualquer alternativa que macule os responsáveis pelas crianças. Trata-se de uma lei sobre o amor e sobre o cuidado”, frases da Ministra de Direitos Humanos – Maria do Rosário.
 “Os castigos físicos têm efeitos devastadores e abrem espaço para outras formas de violações, como o abuso sexual”, frase da Rainha Silvia da Suécia, primeiro pais do mundo a ter uma lei sobre o tema e fundadora de uma organização internacional que trabalha contra o abuso e exploração sexual de crianças.
 “Muitas vezes as sandálias são utilizadas para bater as crianças. Vamos utilizá-las somente para o que foi fabricada. Vamos usar as sandálias para caminhar ao lado de nossas crianças”, frase da Secretaria Geral de Save the Children Suécia - Elisabeth Dahlin. 
“A infância é muito curta, porém os efeitos dos castigos corporais perduram por toda a vida”, frase do Coordenador da organização Cecodap, Venezuela – Carlos Trapani, A Venezuela foi o segundo país da região a aprovar uma lei pelos bons tratos e contra os castigos físicos. 
Durante o seminário a Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Manuela D`Avila (PCdoB/RS), compromete-se em instalar na próxima semana a Comissão Especial que discutirá o tema e o Presidente do Senado, José Sarney (PMDB/AP) prometeu agilizar a tramitação do projeto quando o texto chegar ao Senado. 
A Rede Não Bata, Eduque está muito feliz com os avanços e seguiremos em frente dispostos a dialogar com os parlamentares e a sociedade civil sobre o assunto e conseguirmos garantir o direito das crianças e adolescentes a serem educados e cuidados sem o uso de qualquer forma de violência.

Da esquerda pra direita: Elisabeth Dahlm, Marta Suplicy, Maria do Rosário, Rainha Silvia, Xuxa Meneghel e Manuela D´Avila. 

Rio de Janeiro, 20 de maio de 2011
Por: Marcia Oliveira – Rede Não Bata, Eduque

Xuxa Meneghel representou a Rede Não Bata, Eduque na abertura de Seminário na Câmara dos Deputados 

Nossa porta-voz, Xuxa Meneghel, emocionou as pessoas na abertura do Seminário sobre Experiências de Legislação Contra Castigos Corporais de Crianças e Adolescentes. O encontro abordou a urgência de uma reforma legal que proteja integralmente às crianças e adolescentes com os castigos corporais e tratamento humilhante, através da aprovação do projeto de lei nº 7672/2010. 

Foram apresentados os resultados positivos dos 31 anos da aprovação de lei semelhante na Suécia, primeiro pais do mundo a ter uma lei contra os castigos corporais, e a experiência de nossos vizinhos Uruguai, Venezuela e Costa Rica, que já tem leis sobre o tema.

 “Não é uma lei contra a palmada. É a lei do amor, do respeito. As crianças merecem ter os direitos que vocês (adultos) têm”. 

"… ainda vivemos em uma cultura atrasada quando o assunto é violência contra as crianças. Um dia a escravidão ou até mesmo bater em mulher foi normal …". 

“A gente não aprende com dor”. 

"Que as pessoas possam entender que a gente não quer se meter na vida dos outros, e sim fazer com que a criança tenha o direito de ser respeitada", 

"As pessoas dizem ‘quero acabar com a violência nas ruas’. Então acabe com a violência em casa", frases da porta- voz da Rede Não Bata, Eduque – a apresentadora Xuxa Meneghel, 

“O castigo físico não pode ser considerado pratica pedagógica”. 

“Um Brasil de paz depende desse projeto de lei”. 

“O projeto não prevê nenhuma intervenção familiar, não pressupõe qualquer alternativa que macule os responsáveis pelas crianças. Trata-se de uma lei sobre o amor e sobre o cuidado”, frases da Ministra de Direitos Humanos – Maria do Rosário.

 “Os castigos físicos têm efeitos devastadores e abrem espaço para outras formas de violações, como o abuso sexual”, frase da Rainha Silvia da Suécia, primeiro pais do mundo a ter uma lei sobre o tema e fundadora de uma organização internacional que trabalha contra o abuso e exploração sexual de crianças.

 “Muitas vezes as sandálias são utilizadas para bater as crianças. Vamos utilizá-las somente para o que foi fabricada. Vamos usar as sandálias para caminhar ao lado de nossas crianças”, frase da Secretaria Geral de Save the Children Suécia - Elisabeth Dahlin. 

“A infância é muito curta, porém os efeitos dos castigos corporais perduram por toda a vida”, frase do Coordenador da organização Cecodap, Venezuela – Carlos Trapani, A Venezuela foi o segundo país da região a aprovar uma lei pelos bons tratos e contra os castigos físicos. 

Durante o seminário a Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Manuela D`Avila (PCdoB/RS), compromete-se em instalar na próxima semana a Comissão Especial que discutirá o tema e o Presidente do Senado, José Sarney (PMDB/AP) prometeu agilizar a tramitação do projeto quando o texto chegar ao Senado. 

A Rede Não Bata, Eduque está muito feliz com os avanços e seguiremos em frente dispostos a dialogar com os parlamentares e a sociedade civil sobre o assunto e conseguirmos garantir o direito das crianças e adolescentes a serem educados e cuidados sem o uso de qualquer forma de violência.

Da esquerda pra direita: Elisabeth Dahlm, Marta Suplicy, Maria do Rosário, Rainha Silvia, Xuxa Meneghel e Manuela D´Avila. 

Rio de Janeiro, 20 de maio de 2011

Por: Marcia Oliveira – Rede Não Bata, Eduque

Boletim Rede Não Bata, Eduque Março e Abril de 2011‏

Caros Amigos, 

 

Estamos divulgando o boletim das ações da Rede Não Bata, Eduque nos meses de Março e Abril de 2011.

Para ver o boletim, clique aqui.

Rede Não Bata, Eduque no Carnaval 2011!

A Rede Não Bata, Eduque participará do desfile da Inocentes da Caprichosos, na sexta-feira de Carnaval.

A Inocentes da Caprichosos vai para a avenida com o enredo “Xuxa e seu reino encantado no carnaval da imaginação” e a Rede Não Bata, Eduque, representada pelas crianças e adolescentes da Fundação Xuxa, participará da Comissão de Frente, da Bateria e das alas que representam os direitos das crianças. As alas são: Vida e Saúde;  Liberdade, Respeito e Dignidade; Convivência Familiar e Comunitária; Educação, Cultura Esporte e Lazer e Profissionalização. A Rede também participará da ala da Campanha contra a Exploração Sexual de crianças e adolescentes.

Não deixem de conferir. O desfile é gratuito e começa às 19 horas da sexta-feira (04/02) no Sambódromo do Rio de Janeiro.

Nota da RNBE sobre a pesquisa realizada pelo G1

Sobre a pesquisa realizada pelo o G1, nossa opinião é que a pergunta formulada não retrata o ponto central do projeto de lei 7672/2010. O projeto não foi feito para punir os pais e sim para proteger as crianças. O ponto central do projeto é a não violência! Provoca às pessoas a reflexão e a realizarem uma mudança cultural (não é preciso bater e usar violência para estabelecer autoridade e disciplina!), além de propor campanhas educativas, a divulgação de formas construtivas de disciplina e apoio aos pais e responsáveis.

História Digital feita com jovens e crianças entre 4 e 16 anos sobre os efeitos e características do castigo físico e humilhante. Vídeo feito para ser apresentado durante o Simpósio Não Bata Eduque 2009.

Boletim RNBE - Julho à Setembro